Notícia de 05/05/2005


CERTIFICAÇÃO DIGITAL
Dentistas de vanguarda
Primeira classe de profissionais do País a adotar a tecnologia para assinar documentos e e-mails
com o mesmo valor jurídico de um reconhecido em cartório. Por enquanto, mineiros estão de fora

Otacílio Lage

A certificação digital está sendo introduzida na vida dos profissionais de saúde. Os prontuários odontológicos em papel, por exemplo, que precisam ser armazenados durante 20 anos pelos cirurgiões-dentistas, podem estar com os dias contados. O uso da técnica ganhou nova
dimensão com a realização, no mês passado, em Belo Horizonte, do 9º Congresso Internacional de Odontologia de Minas Gerais, reunindo 5 mil profissionais. No Brasil, a certificação digital na odontologia foi abraçada de forma pioneira pelo ortodontista gaúcho Márcio Elias Perondi, um dos palestrantes do evento promovido pela Associação Brasileira de Odontologia/Seção MG, com apoio do Grupo Ite-Internet e Tecnologia, primeira empresa mineira a desenvolver soluções para certificação digital.
Perondi, coordenador do Departamento de Informática da Associação Brasileira de Odontologia/Seção RS, destaca a agilidade e a redução de custos como principais vantagens da certificação digital. “Com a tecnologia, o usuário pode assinar todos os documentos e e-mails, que assina hoje no papel, eletronicamente, e com mesmo valor jurídico de um documento reconhecido em cartório”, diz. O
especialista lembra que os arquivos proliferam de forma crescente na odontologia.
Segundo ele, muitos arquivos já são produzidos digitalmente, como textos, odontogramas, relatórios de
freqüência, radiografias, eletromiografias, ressonâncias magnéticas, tomografias, fotografias etc.
“Alguns têm formato proprietário e seus originais não podem ser modificados, o que por si só lhes
garante relativa confiabilidade. E a validade jurídica é garantida através do certificado digital
emitido por autoridade credenciada”, explica.
Perondi destaca que a tecnologia oferece duas grandes vantagens para a sua classe: “Dentistas
que contam com consultórios altamente informatizados podem descartar os tradicionais arquivos
em papel. Já os profissionais que armazenam prontuários originais em papel podem contar com a
digitalização e, posteriormente, a certificação digital de todos os arquivos”.

         "O Brasil tem mais dentistas por 
habitante que os Estados Unidos. 
Agora, o uso da assinatura eletrônica 
contribui para uma diferenciação dos 
serviços" 
Márcio Elias Perondi, ortodontista 

ECONOMIA
Por sua vez, André Lemos, MBA em gestão de negócios pela UFRJ, consultor de
renome no País em tecnologia da informação e que ora dá suporte aos conselhos regionais do Rio
Grande do Sul (CRO-RS) e de São Paulo (CRO-SP), afirma que os dentistas realmente têm saído
na vanguarda com o uso da certificação digital. “Credito essa tendência a dois fatores: primeiro, o
aumento do uso de documentação digital no consultório (fotos digitais da evolução do tratamento,
radiografias digitais, tomografias, entre outros), além de uso sistemas de gerência, levando o
dentista a gerar relatórios, anamneses e prontuários já de forma eletrônica.
Assim fica até mesmo mais barato ter esses documentos assinados eletronicamente, com valor
jurídico, do que imprimi-los e arquivá-los durante 20 anos, que é o prazo de prescrição dessa
documentação. Só o fato de evitar a impressão de fotos digitais já é uma economia muito grande”,
destaca Lemos, que recentemente deixou a TechBiz (BH) e se incorporou aos quadros do grupo
mineiro ITE, para dirigir a 2D Tecnologia, um braço da empresa criado especialmente para prestar
serviços de consultoria em certificação digital.
O segundo fator para ele é que o dentista vive um momento de concorrência muito grande no
mercado. “Comparativamente, o Brasil tem mais dentistas por habitante que os Estados Unidos,
por exemplo. E, agora, o uso dessa tecnologia, contribui para uma diferenciação dos serviços. Há
algo mais prático, clean e legal, do que sair do tratamento com um CD incluindo todo o prontuário
e as fotos do tratamento?” – salienta.

PLANO DE METAS
Desenvolver treinamento e conhecimento junto aos conselhos regionais, para
implantação da certificação digital, faz parte do plano de metas do secretário-geral do Conselho
Federal de Odontologia (CFO), Marcos Santana. Diz ele: “Em um mundo no qual o avanço dos
sistemas informatizados é seguido de perto por uma necessidade cada dia maior de segurança –
em função da ameaça constante dos supervírus e das clonagens de cartões e documentos –a
certificação digital vai se tornando uma ferramenta indispensável”.
O gerente de tecnologia e informação do CFO, Luciano Barreto, procura traduzir para os dirigentes
dos conselhos de odontologia o significado de expressões como assinatura digital, chave pública e
ICP-Brasil. Para ele, futuramente, instituições com estruturas como as do CFO e dos CROs não
poderão prescindir da certificação digital, seja para gerar documentos eletronicamente e enviá-los
com segurança pela internet, seja para digitalizar os documentos arquivados ainda em papel,
formato, ao que parece, com os dias contados.
Em parceria com o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, a CertiSign está
disponibilizando aos cirurgiões-dentistas paulistas o certificado digital com o smart card
personalizado ou token USB, para a assinatura de documentos e imagens digitais referentes aos
processos burocráticos, legais e técnicos ligados à odontologia. A CertiSign, líder nacional no
processo, é uma autoridade certificadora credenciada pela ICP-Brasil, vinculada ao Instituto
Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), da Casa Civil da Presidência da República.
Credenciada para validar a identidade dos solicitantes e emitir certificados digitais de todos os
tipos, a empresa opera como Autoridade Certificadora (AC) e Autoridade de Registro (AR) para as
mais diferentes organizações brasileiras, além de disponibilizar produtos para o público em geral.

Na internet
http://www.cfo.org.br/default01.cfm
http://www.cros.org.br/ccdprincipal.html
www.iti.gov.br
www.icpbrasil.gov.br
www.serpro.gov.br
www.certisgn.com.br
www.cleber.com.br/lega.html