Juliana Ruivo Tavares (*)
Fonoaudióloga
 
IDENTIFICANDO E CORRIGINDO PROBLEMAS NA FALA 

Escrever, falar, andar são formas de expressão, e cada uma tem sua hora apropriada para se desenvolver. Para falar, uma criança precisa estar fisicamente pronta, num determinado ponto de evolução de sua inteligência que lhe possibilite ordenar os pensamentos.
A criança pronuncia sons diferentes que, para ela, têm um significado próprio. Ela estabelece que cada palavra precisa de uma sucessão de sons diferentes para ser articulada, e que também cada palavra significa algo.
Essas primeiras palavras são recebidas com muita excitação pelos adultos, e o início da fala é saudado com muito entusiasmo. Afinal, esta é a primeira etapa de um longo processo que vai introduzir as crianças na sociedade em que vivemos. Também não é novidade o fato delas cometerem erros e omissões fase da aquisição da linguagem.
Na rotina do consultório, é muito comum recebermos crianças com problemas de fala que se sentem diminuídas e até excluídas por outras crianças por não conseguirem articular corretamente alguns fonemas.
Quando a criança não se sente capaz de corrigir-se sozinha, e demonstra precisar de ajuda especializada, a avaliação fonoaudiológica é o passo mais indicado.
Essa avaliação irá checar se a criança está no processo de aquisição de linguagem esperado para sua faixa etária, e se as trocas ou omissões de fonemas podem corrigir-se naturalmente ou somente através de tratamento fonoaudiológico.
Nessa avaliação também são observados os órgãos fonoarticulatórios que podem apresentar alterações e por isso estar prejudicando a fala.
Caso alguma alteração seja diagnosticada, deve ser corrigida com técnicas fonoterápicas específicas, a fim de melhorar o padrão articulatório da criança.
A posição dos dentes e a forma como eles se ocluem também pode influenciar na articulação da fala, além disso, crianças que apresentam respiração oral e se alimentam preferencialmente de comidas pastosas, também podem apresentar hipotonia geral nos órgãos fonoarticulatórios, o que fatalmente trará alterações articulatórias.
Sendo assim, a avaliação fonoaudiológica é muito importante no período pré-escolar, podendo prevenir muitos problemas que seriam desagradáveis para as crianças e desgastantes para os pais.
Todo ser humano gosta de ser lembrado por suas qualidades, porém não há ninguém no mundo que queira ser lembrado por seu defeitos ou dificuldades, por menores que eles possam parecer.


(*)
Juliana Ruivo Tavares é Fonoaudióloga Clínica da Sociedade Paulista de Ortodontia e Ortopedia Facial e da Clínica de Alergia e Imunizações Prof. Dr. Júlio Croce, graduada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com Aprimoramento no Tratamento das Fissuras Labiopalatinas, Síndromes Associadas e demais Patologias Correlacionadas no Hospital dos Defeitos da Face e realiza assessoria fonoaudiológica em escolas de educação infantil.