Publicado no Caderno Saúde do Jornal Indústria e Comércio (I&C), Curitiba/PR, n. 15,  p.10-11,  janeiro 2002.


 
 
Professor Gerson Irandir Köhler  
Articulista - na mídia científica e leiga - sobre as áreas de Integralidade     Craniocervicofacial e Monitoração Ortopédica da Face Pediátrica/MOFP. 
Professor do Curso de Pós Graduação em Ortodontia e Ortopedia Facial  
da  Universidade Federal do Paraná. 
 
 
Juarez Köhler 
Responsável pelo Programa MOFP - Monitoração Ortopédica da Face Pediátrica da Köhler - Equipe Clínica Interdisciplinar. 
Professor Convidado do Curso de Pós-Graduação em Ortodontia e Ortopedia Facial da Universidade Federal do Paraná.
 
 
DISTÚRBIOS FUNCIONAIS E ORTOPÉDICOS DA FACE

Gravatas
    ........................
"Cerca de 90% das alterações ortopédicas dentofaciais (visíveis através do problema ortodôntico) estão associadas à ação incorreta dos músculos da face"
 
    .........................

"Crescimento e desenvovimento craniofacial dentro de padrões normais é necessário para que a criança - e o futuro adolescente e adulto que será - possa ter harmonia, estética e beleza facial"

    O crescimento da face de uma criança em direção à sua melhor forma, harmonia e beleza é chamado, em termos médicos, de ortotropia facial. Este resultado (o crescimento correto, ortotrópico) ocorre somente quando a soma das diversas funções da face está dentro de parâmetros de normalidade.
 Quando estas funções (respiração, sucção, mastigação, deglutição, fala, etc) estão alteradas - e isto normalmente ocorre a partir da respiração efetuada de modo incorreto, pela boca - a sua ação contínua e constante tem a capacidade de alterar e modificar o projeto original de crescimento e desenvolvimento facial. O projeto da face infantil vem - determinado pelos fatores genéticos herdados dos pais - em princípio (salvo em casos de excessão, como nas anomalias congênitas) programado para exprimir-se em sua melhor forma, harmonia e beleza.
 Os desvios de crescimento facial - que normalmente ocorrem de forma adquirida e lentamente progressiva - podem começar a se instalar, e causar danos, desde que a criança ainda é bebê.
 Por esta razão a observação atenta do que esteja ocorrendo com a face de seus filhos (principalmente quanto às suas funções) é de suma importância para que os pais detectem precocemente as alterações que estejam se manifestando.  Elas costumam ocorrer principalmente em função da respiração inadequada (feita pela boca, ao invés de pelo nariz) e se caracterizam através da presença dos denominados "distúrbios miofuncionais da face".
 A função da deglutição (feita após sugar ou mastigar o alimento) passa - durante o crescer e desenvolver da criança - por padrões diferenciados quanto à maneira de ser efetuada. Até por volta dos 3 anos de idade ela é chamada de "deglutição infantil", sendo caracterizada por uma posição mais anteriorizada da língua, que somente é natural e fisiológica para os primeiros anos de vida de uma criança.
 Esta fase de vida - tão precoce ainda - já é de fundamental importância para que o correto processo de crescimento e desenvolvimento facial se instale e progrida dentro da normalidade, funcionalidade, beleza e estética.
 A sucção - assim como a deglutição - é uma das características inatas da criança, tendo início já na vida intrauterina.
 O ato de sugar - que precede ao de mastigar, que vem depois e é aprendido a partir da erupção dos dentes decíduos (de leite) - exercita os músculos faciais e se caracteriza por ser o primeiro estímulo ortopédico para que o processo de crescimento e desenvolvimento da face do bebê possa ter início. Se a sucção for efetuada de modo incorreto, como pode ocorrer nos casos de aleitamento artificial (mamadeira), ela estará adaptada ao bico da mamadeira que - por melhor concepção anatômica que tenha - pode vir a alterar o padrão de comportamento neuromuscular necessário para o correto ato de sugar e deglutir. Sugar o mamilo do seio materno é um verdadeiro ato de ordenha, gerando uma ginástica facial benéfica. Já o ato de sugar o bico de uma mamadeira - por mais perfeito que este possa parecer ser - não costuma gerar esforço muscular na  intensidade e correção necessárias para atuar sobre o crescimento e desenvolvimento facial assim como o aleitamento materno.
 Estes distúrbios funcionais (ações musculares inadequadas) podem gerar - pela indissociável ação entre músculos e ossos - os denominados distúrbios ortopédicos (deformidades progressivas do crescimento) da face infantil.
 Os distúrbios miofuncionais e ortopédicos da face de uma criança (incluindo a vinda das duas dentições, primeiro a decídua (de leite) e depois a permanente), já podem, modernamente, ser monitorados através de programas específicos, a que chamamos de MOFP (Monitoração Ortopédica da Face Pediátrica) e que nossa equipe clínica interdisciplinar (multiprofissional) tem colocado à disposição dos pais de crianças que estejam ainda em sua primeira infância.
 É evidente que a biotipologia facial básica (o formato do rosto e suas feições características) é herdada dos pais, mas pesquisas médicas recentes tem comprovado aquilo que já se sabia sobre a face infantil há quase 50 anos, de que os fatores genéticos contribuem com cerca de 40% de sua influência para a futura determinação da normalidade, harmonia e beleza facial. Os restantes 60% do que vai acontecer à face de uma criança - em seu longo e continuado processo de crescimento e desenvolvimento (o denominado caráter ortopédico facial) - dependerão da interação da mesma com o meio ambiente  (que inclui modo de vida, hábitos nocivos, doenças respiratórias/alérgicas, textura alimentar, forma de amamentação, etc. etc.).
 Sob esta perspectiva pediátrica, as terapias monitoradoras do crescimento e desenvolvimento facial integral podem ser prescritas desde tenra idade, possibilitando, desta forma, afastar ou neutralizar os fatores que sejam potencialmente agressores e alteradores do processo em si.
 Percebendo que algo de inadequado esteja ocorrendo em relação ao crescimento da face de seu filho, é necessário procurar - logo que possível, independentemente da faixa etária em que ele se encontre - a orientação de especialistas voltados à monitoração dos aspectos ortopédicos, respiratórios, miofuncionais e dentofaciais da face infantil.
 Estes programas de prevenção e interceptação precoce sobre as alterações faciais funcionam da mesma maneira como um programa pediátrico, com consultas/avaliações periódicas e intervenções terapêuticas nos momentos necessários e oportunos.
 As tomadas de decisões clínico-terapêuticas para estas questões de crescimento e desenvolvimento facial estão baseadas no diagnóstico das diferentes necessidades individuais de cada criança. Por esta razão o enfoque deverá, normalmente, ser interdisciplinar (multiprofissional).
 Os leitores que tiverem necessidade de maiores informações a respeito dos assuntos abordados neste artigo poderão recorrer ao nosso endereço eletrônico (kohler@bsi.com.br) para informações mais amplas e esclarecedoras.
 

 . Gerson I. Köhler, CD, EO/OF
    Diretor-Clínico da KÖHLER - Equipe Interdisciplinar - Anomalias              Morfofuncionais da Face
    Professor do Curso de Pós-Graduação em Ortodontia e Ortopedia      Facial/UFPR
 . Juarez F. W. Köhler, CD, EO/OF
 . Nilse R. W. Köhler, FGA, EMO
 . Rose Helena C. Milléo, FGA, EV
 . Alexa H. W. Köhler, FGA
 . Viviane L. Bradasch Köhler, CD
 



Artigos anteriores, dos autores - publicados no Jornal Ortodontia/SPO desde 1997 - podem ser acessados, em sua íntegra, através do site  < www.spo.org.br/gerson.html  >